Discography

Discography
Um Carnaval
Amor e Saudade
Graças a Lisboa
Soneto Inglês
Tejo Corre no Tejo
Braços Erguidos
Disse-te adeus e morri
Fadista Louco
Fado Vivido
Fui de viela em viela
Mouraria, Mouraria
Na distância dos teus passos
Não Voltes
Nenhum de nós
Velhinho fado Menor


COMPRAR DISCO DOWNLOAD LETRAS


De Guimarães para o Fado

Que o fado nasceu um dia em muitos lugares, como expressão de um sentir popular. Que entre o vai e vem de um povo que sofreu, mas soube opor às tristezas muitas alegrias. Que o fado cantou todos os amores, sem esquecer os gestos do quotidiano. Que são muitas as geografias do fado, porque inúmeros os movimentos das gentes obrigadas a partir. Todas estas verdades, que os fadistas aprendem a sentir e a cantar, encontram-se reunidas neste primeiro disco de Miguel Xavier, nascido em Guimarães e que se fez fadista.

Camané


Miguel Xavier,  licença para cantar


Dizem-me que, de muito pequenino, se esticava na cama ao lado da avó, um transístor sintonizado para uma rádio fado, pousado entre os dois. O Miguel Xavier aprendia, literalmente, todos os fados.
Quando o Miguel Amaral me levou a ouvi-lo, ele teria 19 anos. Fiquei tão siderado como quando ouvi o Camané então mais ou menos da mesma idade. Haverá quem “nasça para o fado” ou quem por lá viva, apanhando-lhe jeitos e tiques, mas o que reacende a identificação de uma voz que só pode e só deve ser do Fado é aquela flexibilidade melódica e aquele pouco de ar que mal se sente no som, mas que marca a diferença entre os melismas do Fado, seus estilos e variações, e os do Cante Flamenco, por exemplo. Muito boas vozes não conseguem nunca produzir a diferença que este som tem.
Miguel Xavier canta quase hirto, hierático, concentrado, sem gestos nem jeitos nem sinais de legitimação marialva, bairrista ou fadisteira. É apenas um músico integral. Nem fusões, nem infusões, nem vícios. Canta maravilhosamente e está só, por dentro daquilo que canta. Basta comparar o trecho de Alexandre O’Neill / Filipe Teixeira (produzido na melhor tradição daquele fado que Amália literou e revolucionou) com o clássico “Velhinho Fado Menor” (com versos da discreta Maria Manuel Cid) para confirmar o seu profundo conhecimento e autenticidade. São coisas que fazem do Fado a sina de alguns. São esses os poucos que cantem o que cantem, cantam sempre de algum modo Fado, ou que quando cantam Fado o exponenciam e elevam.
À volta de Miguel Xavier está uma espécie de “família” mais ou menos local que, sob a liderança de Miguel Amaral, se desdobra em escritores de fados de primeira água: Mário Laginha, Luís Figueiredo, Filipe Teixeira, André Teixeira e Marco Oliveira por exemplo. É isso que ajuda a fazer do disco de MX um dos mais belos discos de Fado dos últimos tempos.
A criança, nas suas sestas com a avó, nunca sonhou ter uma missão. Cresceu apenas para aquele lugar suave e ético que é a Arte.

Ricardo Pais